quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

ENGRENAGENS

Muitas vezes as coisas estão tão evidentes em nossa frente, são tão óbvias e nós nem percebemos.

Esta semana tive mais uma grande lição em minha vida.

Fazendo uma analogia, percebi que nossos relacionamentos, quer sejam de amor ou amizade, funcionam exatamente como as engrenagens de uma máquina.

Existem algumas engrenagens que quando são ajustadas muito distantes umas das outras, perdem o contato e deixam de atuar, perdendo o sentido de estarem ligadas umas às outras. Em nossa vida, se não temos um contato mais próximo com as pessoas, deixamos de interagir com elas e com o tempo passamos a dar mais atenção às outras pessoas que estão mais próximas de nós. Pode até ser que algumas destas pessoas com quem perdemos contato sejam pessoas muito importantes para nós, digo, são pessoas com as quais nunca vamos perder contato, contudo estão sempre distantes.

Existem algumas engrenagens que quando são ajustadas extremamente próximas umas das outras, em um primeiro momento funcionam em um encaixe exato, sem folgas, contudo, com o passar do tempo, esta proximidade extrema faz com que uma engrenagem comece a desgastar a outra, muitas vezes deixando marcas definitivas e até estragando a outra para sempre. Trazendo esta visão para nossos relacionamentos, temos exatamente a mesma situação quando ficamos próximos demais de algumas pessoas e inicialmente pensamos que tudo é perfeito, mas com o tempo, a falta de espaço começa a "sufocar" um e o outro. Como conseqüência temos desde pessoas que não se suportam mais, deixando de se ver ou se falar para sempre, até pessoas que são obrigadas a se aturar por absoluta falta de opção.

Contudo, existem aquelas engrenagens que têm seu ajuste perfeito, em uma distância adequada, que permite um longo período de funcionamento sem qualquer necessidade de uma manutenção mais séria, bastando apenas colocar um pouquinho de graxa ou óleo de vez em quando. Este é o grande desafio dos relacionamentos em nossa vida. Precisamos encontrar a distância correta de ajuste entre nós e as pessoas que nos cercam para que sempre seja possível "funcionar" com o menor número de "correções" possível.

Às vezes nosso coração deseja que o contato seja mais próximo, mas mesmo sabendo que é extremamente difícil, o bom senso precisa prevalecer sobre nossas emoções, evitando desta forma perdas definitivas. Impedir que nossos caprichos insatisfeitos afetem nossa percepção, também é fundamental. Como escreveu William Shakespeare: "Depois de algum tempo você aprende a diferença... A sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma".

Ficar atento às nossas atitudes e controlar sempre nossas emoções deve ser um bom começo para ajustarmos nossas distâncias.

Adapto a seguir um pequeno trecho de um texto da REVISTA DE PSICOFISIOLOGIA (publicação de 1997) que fala sobre controle emocional:

"O objetivo que devemos atingir é o equilíbrio mental e psicológico não a eliminação das emoções - todo sentimento tem seu valor e sentido. As pessoas não precisam evitar sentimentos desagradáveis, pois eles podem contribuir para uma vida criativa e espiritual. Só devemos impedir que eles carreguem "morro abaixo" todos os demais estados de espíritos agradáveis".

Mais uma coisa que me vem a cabeça neste instante é outro pequeno trecho de uma mensagem que se chama CONTROLE AS EMOÇÕES, que foi ditada pelo espírito ALO e psicografada pelo médium RUI SOUZA:

"Controle tuas emoções, use em tudo a consciência
Não te empolgues com palavras, e com falsas aparências
Observe com teus olhos, para poder ter certeza"

É isso aí! Que Deus nos ajude a encontrar nossos "ajustes" perfeitos.

Boa sorte... SEMPRE!!!
( Texto e foto: Wilson Luiz Negrini de Carvalho )