domingo, 8 de fevereiro de 2009

DENÚNCIA : O GOLPE DA FALSA VAGA DE EMPREGO

Você que está procurando por um emprego, fique muito atento a um golpe que está sendo aplicado por aí.

Uma empresa de recolocação liga para você falando sobre uma vaga que se encaixa perfeitamente em seu perfil profissional e agenda uma entrevista.

Durante o processo seletivo, a entrevistadora dá a impressão de que seu currículo é exatamente o que a empresa está procurando. A vaga de emprego, por sua vez, parece ser perfeita para você: salário bom, localização na mesma região onde reside, ótimos benefícios e muito mais.

Contudo, você terá que fazer alguns testes psicológicos e por estes testes VOCÊ TERÁ QUE PAGAR. Você até pode pagar pelos testes, mas na verdade, a vaga de emprego NUNCA EXISTIU!

No meu caso, fui chamado por uma empresa de recolocação localizada em Campinas (Estado de São Paulo), que tentou aplicar este golpe em mim. Algumas empresas chegam a publicar em meios de comunicação, anúncios de vagas que não existem.

Sem dúvida existem empresas de recolocação sérias, que cobram pelos serviços prestados por elas. Não são elas que estou criticando aqui. Normalmente, se a empresa é idônea, você será avisado que o serviço será cobrado antes de ir para a entrevista.

Critérios que eu sigo para não cair neste golpe:

1-) Se receber um telefonema falando sobre uma vaga de emprego, antes de agendar entrevista, pergunto se é cobrada qualquer tipo de taxa. Caso seja, recuso a entrevista.

2-) Pesquiso o nome da empresa na Internet. Normalmente, os nomes das empresas desonestas estão circulando por aí.

3-) Consulto o PROCON ou outro órgão de defesa do consumidor da cidade onde está localizada a empresa.

Por curiosidade, entre no Google ou qualquer outro "buscador" e digite na caixa de pesquisa: golpe vaga emprego ou então falsa vaga emprego. Você não imagina quanta coisa você vai encontrar!

Ajude a divulgar ao máximo esta informação. Inúmeras pessoas estão sendo vítimas deste tipo de gente que ao meu ver, deveria estar na cadeia.
( Texto e foto: Wilson Luiz Negrini de Carvalho )