quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

A PARTIR DO PRÓXIMO AMANHECER


Tenho muita sorte, pois justamente naqueles dias em que mais preciso de um incentivo, ou de algo para "lavar minha alma", aparece algo que me ajuda.

Hoje encontrei uma mensagem muito bacana que minha amiga Lia me enviou na semana passada e que realmente para mim, teve o sentido de "lavar a alma". A autoria da mensagem é desconhecida.

"Hoje me dei um tempo para pensar na vida. Na minha vida!

Decidi então que a partir do próximo amanhecer, vou mudar alguns detalhes para ser a cada novo dia, um pouquinho mais feliz.

Para começar, não vou mais olhar para trás. O que passou é passado, se errei, agora não vou conseguir corrigir. Então, para que remoer o que passou? Refletir sobre aqueles erros sim e então, fazer deles um aprendizado para o meu hoje.

Nem todas as pessoas que amo, retribuem meus carinhos como eu gostaria. E daí? A partir do próximo amanhecer vou continuar a amá-las, mas não vou tentar mudá-las. Pode ser até que ficassem como eu gostaria que fossem e deixassem de ser as pessoas que eu amo. Isso eu não quero. Mudo eu... Mudo meu modo de vê-las. Respeito seu modo de ser. Mas não pense que vou desistir de meus sonhos! Imagine!

A partir do próximo amanhecer, vou lutar com mais garra para que eles aconteçam. Mas vai ser diferente. Não vou mais responsabilizar a mais ninguém por minha felicidade. Eu vou ser Feliz! Não vou mais parar a minha vida porque o que desejo não acontece, porque uma mensagem não chega, porque não ouço o que gostaria de ouvir. Vou fazer meu momento. Vou ser feliz agora. Terei outros dias pela frente! Nunca mais darei muita importância aos problemas que não tenho conseguido resolver.

A partir do próximo amanhecer, vou agradecer a Deus, todos os dias por me dar forças para viver, apesar dos meus problemas. Chega de sofrer pelo que não consigo ter, pelo que não ouço ou não leio, pelo tempo que não tenho e até de sofrer por antecipação, pensando sempre, apenas no pior.

A partir do próximo amanhecer, só vou pensar no que tenho de bom.
Meus amigos, nunca mais precisarão me dar um ombro para chorar. Vou aproveitar a presença deles para sorrir, cantar, para dividir felicidade.

A partir do próximo amanhecer vou ser eu mesmo. Nunca mais vou tentar ser um modelo de perfeição. Nunca mais vou sorrir sem vontade ou falar palavras amorosas por que acho que sei o que os outros querem ouvir.

A partir do próximo amanhecer vou viver minha vida. Sem medo de ser Feliz."
( Foto : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A OBRIGATORIEDADE DA ESMOLA

Este tema é meio polêmico, mas vamos lá...

Neste mundo competitivo em que vivemos, pessoas com uma qualificação razoável estão encontrando dificuldade no mercado de trabalho.

Imagine aqueles que não têm qualificação. Acredito que muitos até sejam realmente pessoas dispostas a trabalhar, mas não conseguem trabalho.

Alguns, enxergam no trabalho informal, como por exemplo, os "guardadores" de carros, uma solução para seus problemas. Vou um pouco mais além, e me refiro também a outros tipos de pessoas, que vivem pedindo dinheiro pela rua.

Tenho o hábito de andar muito a pé, e fico surpreso com a quantidade de vezes que sou abordado por alguém, com as mais fantásticas estórias, tentando conseguir algum dinheiro.

A coisa está ficando tão absurda, que quando você não dá dinheiro, ou não aceita o "serviço" que lhe oferecem, você ouve algum tipo de crítica ou até um insulto. Tem gente que ainda quer estipular qual o preço a cobrar pelo "serviço" prestado.

Sei que em algumas capitais do Brasil, os abusos vão muito mais além.

Parece que ter disponibilidade de dinheiro para dar para estas pessoas se tornou uma obrigação (como se já não bastassem estes impostos abusivos e absurdos cobrados pelos governos).

Resolvi fazer uma conta, muito "por cima", para ter uma idéia de quanto pode faturar um "guardador" de carro que suponhamos, tome conta de 10 carros por hora, e para cada carro receba cerca de 50 centavos, trabalhando 10 horas por dia e 25 dias por mês.

Dez carros por hora a 50 centavos cada um dá R$ 5,00. Em um dia de 10 horas dá R$ 50,00. Em 25 dias de trabalho dá R$ 1.250,00 livres de qualquer imposto. Nada mal hein!

Hoje em dia, com o amplo uso do cartão de crédito/débito, não existe motivo para se andar com dinheiro, e quando chega alguém pedindo uma "ajudinha", lá estamos escutando uma "bobagem" porque não temos um "trocado" para dar.

Você consegue por um instante, imaginar o dia em que "pedintes" andarão com máquinas de cartão de crédito para lhe pedir um "trocadinho"? Fantasioso demais? Espere só para ver.

Compartilho da opinião de que dar esmola é perpetuar a miséria. Enquanto existir alguém dando esmolas, sempre terá alguém pedindo. É inegável que em nosso país existam pessoas em estado de miséria, precisando de ajuda, contudo, há maneiras adequadas de colaborar com elas.

Se você deseja ajudar de verdade, existem algumas entidades sérias, para as quais você pode fazer doações, que serão revertidas em favor de quem realmente precisa.

Quero deixar bem claro que nada tenho contra estas pessoas, no entanto, já estou de "saco cheio" de ouvir "bobagem" só porque não costumo carregar dinheiro comigo.

domingo, 16 de janeiro de 2011

A RAIVA

Minha amiga Paula enviou-me uma apresentação com o texto abaixo. Gostei muito dele, e mais ainda quando ela me disse que eu nunca havia deixado qualquer marca na tábua dela.

Leia o texto para entender...


Era uma vez um garoto que tinha um temperamento muito explosivo.

Um dia ele recebeu um saco cheio de pregos e uma placa de madeira.

O pai disse a ele que martelasse um prego na tábua toda vez que perdesse a paciência com alguém.

No primeiro dia o garoto colocou 37 pregos na tábua.

Já nos dias seguintes, enquanto ele ia aprendendo a controlar sua raiva, o número de pregos martelados por dia foram diminuindo, gradativamente.

Ele descobriu que dava menos trabalho controlar sua raiva do que ter que ir todos os dias pregar diversos pregos na placa de madeira...

Finalmente chegou um dia em que o garoto não perdeu a paciência em hora alguma.

Ele falou com seu pai sobre seu sucesso e sobre como estava se sentindo melhor em não explodir com os outros.

O pai sugeriu que ele retirasse todos os pregos da tábua e que a trouxesse para ele.

O garoto então trouxe a placa de madeira, já sem os pregos, e a entregou a seu pai.

Ele disse, "Você está de parabéns, meu filho, mas de uma olhada nos buracos que os pregos deixaram na tábua, a tábua nunca mais será como antes".

Quando você diz coisas estando com raiva, suas palavras deixam marcas como essas.

Você pode enfiar uma faca em alguém e depois retirá-la.

Não importa quantas vezes você peça desculpas, a cicatriz ainda continuará lá.

Uma agressão verbal é tão ruim quanto uma agressão física.

Amigos são como jóias raras. Eles te fazem sorrir e te encorajam para alcançar o sucesso.

Eles te emprestam o ombro, compartilham dos teus momentos de alegria, e sempre querem ter seus corações abertos para você.

sábado, 15 de janeiro de 2011

TRÊS PALAVRAS


Hoje fiquei conhecendo um tipo de site de relacionamento chamado THREE WORDS (www.threewords.me).

Essencialmente serve para que outras pessoas descrevam você em três palavras.

Seu uso é bem simples. Você se cadastra no site colocando seu nome de usuário, e-mail e senha de acesso. Em seguida, ao entrar no mesmo, pode escolher nível de privacidade, incluir um fundo de tela e colocar uma fotografia sua (chamado também de avatar).

Você receberá um link com o endereço de sua página e deverá encaminhá-lo para seus amigos, para que eles coloquem três palavras sobre o que eles acham de você.

Se alguém te elogia, tudo bem, mas se alguém te criticar? Na Internet tudo pode acontecer. Nem todo mundo convive bem com críticas, portanto, se você é um destes, é melhor ficar longe do site.

( Texto e imagem : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

A CULPA É DA CHUVA

Peço licença aos amigos, seguidores e leitores do meu blog, pois hoje irei criticar!

Esta semana quase “caí de costas” quando vi um político falando na televisão, que a chuva é a culpada pelos estragos e mortes que ocorreram nos últimos dias.

Ao ouvir isto, diversas perguntas passaram pela minha cabeça:
  • Será que as Prefeituras tomam as ações necessárias quando vêem pessoas construindo casas em área de encostas, áreas estas que nem sempre estão liberadas para construção?

  • Será que o dinheiro que governos estadual e federal liberam para realização de obras, está realmente sendo usado para isto?

  • Será que aqueles que são responsáveis pelo zoneamento urbano estão cumprindo com suas obrigações?

  • Será que o dinheiro arrecadado através destes impostos escorchantes cobrados pelo governo, poderiam ser mais bem empregados?

  • Será que se os governos combatessem a corrupção, sobraria mais dinheiro para resolver estes e outros problemas?

  • Será que se os governos exigissem mais de seus funcionários, criando uma "máquina administrativa" mais eficaz, este tipo de situação poderia ocorrer com menos freqüência? É claro, salvo os “reais” acidentes.
E a culpa é da chuva? Deve ser, afinal, talvez caiba à chuva administrar cidades, estados e até o país.

É facil, depois que a tragédia aconteceu, aparecer no local com a maior "cara de pau", e dizer que vai liberar recursos para ajudar os desabrigados. Por que os recursos não foram liberados antes? Por que uma atitude não foi tomada antes que o problema acontecesse, sabendo antecipadamente que havia riscos?

Por outro lado, pessoas que constroem casas em áreas que não lhes pertencem ou em áreas proibidas, também têm sua parcela de responsabilidade nesta história. Outros, que ao invés de jogar o lixo no lixo, jogam-no pela rua, são de certa forma responsáveis pelo entupimento dos bueiros, que ajuda a causar enchentes.

Claro que acidentes acontecem, mas será que o que temos visto nestes dias tem sido o caso? Por que TODOS anos vemos praticamente a mesma coisa? Isto é acidente?

No final das contas, a culpa é da chuva!

sábado, 8 de janeiro de 2011

TESOUROS DA VIDA

Nossa colega Ida, do grupo do Life, enviou uma apresentação com uma mensagem que fala sobre valorizar as coisas boas da vida. Fiz uma pequena mudança no texto e estou colocando-o aqui:

O dono de um pequeno comércio, amigo do grande poeta Olavo Bilac, abordou-o na rua:

- Sr. Bilac, estou precisando vender o meu sítio, que o senhor tão bem conhece, poderá redigir o anúncio para o jornal?

Olavo Bilac apanhou o papel e escreveu:

“Vende-se encantadora propriedade, onde cantam os Pássaros ao amanhecer no extenso arvoredo, cortada por cristalinas e marejantes águas de um ribeiro. A casa banhada pelo sol nascente oferece a sombra tranqüila das tardes, na varanda”.

Meses depois, o poeta encontra-se com o homem e pergunta-lhe se havia vendido o sítio.

- Nem pensei mais nisso. - disse o homem. - Quando li o anúncio percebi a maravilha que tinha!

Às vezes não descobrimos as coisas boas que temos conosco e vamos longe, atrás da miragem de falsos tesouros. Valorize o que tem, as pessoas e os momentos…

Sempre vemos pessoas abrindo mão dos filhos, da família, do cônjuge, dos amigos, da profissão, do conhecimento acumulado durante anos de vida, da boa saúde, das belezas da vida.

"Jogam pela janela", aquilo que Deus lhes deu com tanta graça, e que em anos foi cultivado com garra.

Olhe a sua volta e valorize o que tem.

Não adianta fazer um carinho naqueles que amamos, depois que morreram.

Não adianta querer reaver trabalhos que negligenciamos.

O melhor a fazer é valorizar isso agora.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

FRASES QUE GOSTO (JANEIRO 2011)

Frases deste mês:
  • Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.
  • Jamais faça da sua vida um rascunho, pois pode não dar tempo de passar a limpo.
  • Sem sonhos, a vida não tem brilho. Sem metas, os sonhos não têm alicerces. Sem prioridades, os sonhos não se tornam reais - Augusto Cury
  • Temos a tendência de esquecer que a felicidade não vem como resultado de obter algo que não temos, mas sim por reconhecer e apreciar tudo que temos.
  • Seja mais carinhoso do que necessário pois todos que você conhece estão de alguma forma enfrentando uma batalha.