quarta-feira, 31 de julho de 2013

ITÁLIA : MILÃO (Junho/2013)

Nosso grupo chegou a Milão no fim da tarde, e nosso guia nos liberou para conhecermos o centro da cidade.


Saímos do ônibus próximo do Teatro alla Scala. Segui em direção à Galleria Vittorio Emanuele II e dali, passei pela Piazza del Duomo, para ver o Duomo di Milano, a quarta igreja em tamanho de toda a Europa.


O Duomo di Milano começou a ser construído em 1386, e ao longo dos séculos foi sendo aumentado, ou tendo sua fachada modificada, até o ano de 1813.


Sem dúvida, o Duomo di Milano, dedicado a Santa Maria Nascente, tanto na parte externa quanto na parte interna, é uma das igrejas mais magníficas que já vi. Seu estilo gótico chama muito a atenção. Passei um bom tempo em seu interior, conhecendo, filmando e fotografando todos os detalhes possíveis.


Antes de terminar meu passeio, andei mais um pouco pelo centro de Milão e fui até o Castello Sforzesco.



Como já estava quase na hora de ir para o hotel, passei em uma lanchonete para pegar um lanche, pois não queria jantar no hotel, ele está bem distante do centro da cidade, que na verdade é um novo bairro que está sendo criado em Milão, e apesar do hotel ser excelente e novo, o bairro é um deserto de asfalto; ainda não tem praticamente nada lá.

Acordei no dia seguinte, tomei meu café da manhã e já embarquei no nosso ônibus, que iria nos levar para conhecer Orta San Giulio, o Lago Maggiore e Bergamo.

Milão (Milano em italiano) é a capital da região da Lombardia. Sabe-se que por volta do século V a.C., a região de Milão já era habitada pela cultura Golasecca. No século IV a.C. foi invadida pelos Celtas, e em 222 a.C. foi conquistada pelos romanos. Desde aquela época, Milão despontou como potência no comércio e na economia, mantida até hoje. Adicionalmente, hoje é considerada a capital mundial da moda e do design industrial.

Foi de seu palácio em Milão (hoje apenas ruínas), que no ano 313 d.C., o imperador Constantino I (Flavius Valerius Constantinus) assinou o Editto di Milano ou Editto di Costantino, permitindo a prática do culto Cristão. Segue o texto original em latim "Cum feliciter tam ego [quam] Constantinus Augustus quam etiam ego Licinius Augustus apud Mediolanum convenissemus atque universa quae ad commoda et securitatem publicam pertinerent, in tractatu haberemus, haec inter cetera quae videbamus pluribus hominibus profutura, vel in primis ordinanda esse credidimus, quibus divinitatis reverentia continebatur, ut daremus et Christianis et omnibus liberam potestatem sequendi religionem quam quisque voluisset, quod quicquid [est] divinitatis in sede caelesti, nobis atque omnibus qui sub potestate nostra sunt constituti, placatum ac propitium possit existere".

Para minha surpresa, vi que no centro de Milão existem muitas lojas de roupas de grife, oferecendo produtos a preços muito bons. Vale a pena dar uma passada pelas lojas de lá.

Pontos interessantes para se conhecer em Milão: Duomo di Milano, Castello Sforzesco, Basilica di Sant'Ambrogio, Galleria Vittorio Emanuele II, Palazzo di Brera e sua pinacoteca, convento de Santa Maria delle Grazie (onde está a pintura "A última ceia" de Leonardo da Vinci), basílica de San Lorenzo Maggiore, Palazzo dei Giureconsulti, Arco della Pace, Teatro alla Scala, Colonne di San Lorenzo, Piazza Mercanti, Palazzo Reale.

Veja no link a seguir o vídeo que fiz em Milão:
https://youtu.be/WnHTC5dTexo

( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

Se você vai viajar para a Itália, recomendo o livro abaixo. Ele poderá ser de grande ajuda:

terça-feira, 30 de julho de 2013

FOTO DO MÊS (JULHO/2013)


( Foto : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

segunda-feira, 29 de julho de 2013

PRAIA DA CAÇANDOCA EM UBATUBA (SP)

A Praia da Caçandoca fica localizada na região sul de Ubatuba.


Seu acesso se dá através da Rodovia SP-55, Rodovia Doutor Manoel Hipólito Rego, na altura da Maranduba em Ubatuba (SP).

Seguindo por esta estrada, você passará primeiro pela portaria do condomínio localizado na Praia do Pulso, e indo em frente por mais alguns quilômetros, chegará na Praia da Caçandoca.


No passado distante, foi uma fazenda que era mantida pelo trabalho escravo. Existem também estórias de que era um porto ilegal de desembarque de escravos.

É um trecho de areia com menos de um quilômetro de extensão. Um lugar muito legal para se passar o dia. Há cerca de 10 anos atrás era mais sossegado ainda, mas infelizmente, o fluxo cada vez maior de turistas mudou o aspecto do lugar.

Existem alguns quiosques onde se pode comer porções variadas e tomar alguma coisa.

Fica ao lado da Praia da Caçandoquinha, outra praia muito tranqüila.

A maioria das vezes, o mar é calmo.

É o lugar ideal para quem quer fugir do amontoado de gente que freqüenta as praias mais populares, como Maranduba, Praia Grande e outras.

( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

sábado, 27 de julho de 2013

ITÁLIA : SANTA MARGHERITA LIGURE (Junho/2013)

Santa Margherita Ligure é uma pequena cidade a beira mar, localizada na região da Ligúria. Ocupa uma área de cerca de 9,8 quilômetros quadrados. Fica a cerca de 5 quilômetros de distância de Portofino.


Segundo informações locais, acredita-se que a cidade é habitada desde o século III, e a evidência disto é uma urna de cinzas encontrada no local, que hoje está guardada na Basílica de Santa Margherita.


Inicialmente se chamava Pescino, e era uma vila de pescadores. Desde seu surgimento, a região foi tomada por diversos povos. Em 1861 entrou definitivamente para o território Italiano e em 1863 recebeu o nome que permanece até os dias de hoje.


Uma especialidade culinária típica da cidade é o Gamberoni Rossi, que para mim é o parente europeu do camarão rosa.


Nosso grupo chegou a Santa Margherita Ligure por volta de meio-dia e meia. Antes de ir almoçar, resolvi dar uma passada pelo Santuário de Nostra Signora della Rosa, onde fica a Basílica da cidade.

Depois do almoço no restaurante Cinzia e Mario, que apesar de ser simples é muito bom (freqüentado por artistas do mundo inteiro), fui caminhar pela cidade para conhecer um pouco mais dela.



No meio da tarde, pegamos nosso ônibus para ir a outra cidade muita conhecida da Itália: Milão.

Pontos interessantes do ponto de vista histórico-cultural: Santuário de Nostra Signora della Rosa, Santuário de Nostra Signora della Lettera, Santuário de Nostra Signora del Carmine , Igreja de San Siro, Chiesa dei Frati Cappuccini (Igreja dos frades capuchinhos), Oratório de Nostra Signora dell'Addolorata, Castello di Santa Margherita Ligure.

( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

Se você vai viajar para a Itália, recomendo o livro abaixo. Ele poderá ser de grande ajuda:

sexta-feira, 26 de julho de 2013

ITÁLIA : PORTOFINO (Junho/2013)

Portofino é uma cidade litorânea, se é que se pode chamar de cidade, localizada em uma região da Ligúria, no Golfo de Tigullio.

Ocupa uma área de pouco menos de 2,6 quilômetros quadrados, e tem menos de 500 habitantes.


Foi fundada na época do Império Romano com o nome de Portus Delphini, em virtude da grande quantidade de golfinhos que havia no local. Hoje é um ponto turístico muito procurado.

Saímos cedo de Gênova, em barco. Antes de chegar a Portofino, paramos rapidamente na Abadia de San Fruttuoso di Capodimonte, outro lugar muito bacana para se passar o dia, mas nem iríamos descer do barco.


Pouco depois, desembarcamos em Portofino e pudemos passar algumas horas bem agradáveis por ali.


Fui direto conhecer a Chiesa di San Giorgio (Igreja de São Jorge), que guarda algumas relíquias do santo. A igreja foi construída em 1154, mas durante a Segunda Guerra Mundial foi destruída por uma bomba lançada por um avião. Assim que terminou a guerra, foi reconstruída como era, pelo menos externamente.


Portofino é um lugar minúsculo, e quando não tem turistas, deve ser super tranqüilo e agradável.


Mesmo no porto, a água do mar é super transparente, permitindo que você consiga ver claramente quais peixes estão sob a água, como se estivesse em um aquário.


Terminado o passeio, voltamos para o barco e pouco antes do meio-dia já estávamos saindo de Portofino, rumando para Santa Marguerita Ligure...

Como pontos de interesse turístico, destaco a Chiesa di San Giorgio, Oratorio di Nostra Signora Assunta (construção dos séculos XIV e XV) e Castelo Brown (Século XVI).

Veja neste link o vídeo que fiz em Portofino https://youtu.be/QtmaZ7-96kQ

( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

Se você vai viajar para a Itália, recomendo o livro abaixo. Ele poderá ser de grande ajuda:

quinta-feira, 25 de julho de 2013

ITÁLIA : GÊNOVA (Junho/2013)


Vindos de Manarola (Cinque Terre), chegamos de trem à cidade de Levanto, e nosso ônibus já estava nos esperando no estacionamento da estação.

O caminho até Gênova tem uma linda paisagem.

Acredita-se que Gênova surgiu por volta do século IV a.C., ou talvez até antes, pelas mãos dos gregos.

Gênova está localizada na região da Ligúria, e é a capital dela.


Até hoje é um dos mais importantes portos da Europa. Sua posição privilegiada sempre favoreceu o comércio da região com o mundo.



Chegamos no fim da tarde em Gênova, e fomos direto ao centro antigo. Nosso guia turístico nos liberou por algumas horas para conhecer o local.


É interessante ver como prédios ou casas mais simples estão lado a lado com palacetes. Que contraste! Pelo menos quarenta e três palácios estão listados pela UNESCO na região de Gênova como patrimônio da humanidade.


Gosta de visitar fortes? Que tal museus? Perdi a conta de quantos existem por lá.


Não se sabe ao certo onde nasceu Cristóvão Colombo, mas ele cresceu em Gênova, e até hoje é possível ver a casa onde ele morou.


Passei por vários pontos de interesse histórico-cultural ali no centro, e o que eu acho que mais me chamou a atenção foi a Catedral de Gênova, dedicada a San Lorenzo.


A construção da Catedral de San Lorenzo iniciou-se no ano 1100 e só foi terminar no século XIV. Além de todos os magníficos detalhes de sua fachada de estilo Românico (e um pouco gótico), posso destacar a escultura de dois leões na escadaria de acesso, obras de Rubatto. Pelas informações que obtive lá em Gênova, havia antes no mesmo lugar, uma outra igreja construída entre os séculos V e VI, dedicada a um outro santo. Como recebi informações conflitantes sobre este tema, encerro minha descrição aqui.


É importante que o turista saiba que Gênova está entre as cidades mais violentas da Itália, aliás, pelas últimas pesquisas que obtive, a mais violenta. Portanto, é bom ficar atento ao que se passa ao seu redor.

Depois de um dia cansativo, fomos para o hotel. Jantei por lá mesmo.

No dia seguinte teríamos mais "correria", e assim seriam todos os dias, até o fim da viagem. Pegaríamos um barco em Gênova, iríamos a Portofino e Santa Margherita Ligure. De lá, pegaríamos o nosso ônibus novamente e iríamos para Milão.

Lugares interessantes para se conhecer em Gênova: Palazzo Reale, Palazzo Bianco, Palazzo Rosso, Palazzo Ducale, Catedral de San Lorenzo, Chiesa del Gesù e dei Santi Ambrogio e Andrea.

( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

Se você vai viajar para a Itália, recomendo o livro abaixo. Ele poderá ser de grande ajuda:

terça-feira, 23 de julho de 2013

ITÁLIA : CINQUE TERRE (Junho/2013)


Cinque Terre, ou melhor, Parco Nazionale delle Cinque Terre, é um parque nacional protegido, localizado na Riviera Ligure di Levante.


A melhor maneira de chegar lá é de trem, a partir da estação de Spezzia.

Cinque Terre é formado por cinco vilarejos: Riomaggiore, Manarola, Corniglia, Vernazza e Monterosso al Mare. Pelo que se sabe, baseado na documentação existente, a região começou a ser oficialmente habitada por volta do século XI, mas indícios encontrados na Isola della Palmaria, situada há alguns quilômetros de lá, remontam ao período Paleolítico.


Dos cinco vilarejos, iríamos conhecer somente Manarola.

Chegamos a Manarola por volta da 13:30 horas e estaríamos com tempo livre para andar por ali até o meio da tarde.


Como o lugar era minúsculo, optei por conhecê-lo primeiro para depois comer alguma coisa.

Posso dizer que não só Manarola, mas como os outros vilarejos que fazem parte de Cinque Terre, possuem o mais belo amontoado de casas (umas sobre as outras) que já vi até hoje.


Não notei a existência de praias em Manarola. As pessoas entram na água diretamente a partir de pedras, e depois voltam por escadas de todos os tipos, colocadas à beira d'água.


A água muito transparente, cujas cores em função do fundo variavam do verde esmeralda ao azul claro, "convidava" todos a entrar. Infelizmente não pude fazê-lo desta vez.


Percorri toda a encosta da montanha, até que o caminho terminou em um portão fechado. Retornei e fui almoçar.

O que tem para se fazer em Manarola? Nada mais além de curtir o mar, ou para quem gosta de se sentar em um restaurante ou um bar com uma vista magnífica do mar para conversar e passar o tempo, lá é o lugar. Aliás, pelo que vi dos outros vilarejos que fazem parte de Cinque Terre, é quase tudo a mesma coisa. Independente disto, é um lugar lindo, onde eu tranquilamente passaria alguns dias por ali para fugir do mundo, e ainda vou fazer isto.

No meio da tarde nosso grupo tomava um trem novamente para ir até a a cidade de Levanto, onde nosso ônibus estaria nos esperando para nos levar até Gênova.

Veja neste link o vídeo que fiz sobre Cinque Terre - Manarola https://www.youtube.com/watch?v=yDIK0aBT6pU

( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

Se você vai viajar para a Itália, recomendo o livro abaixo. Ele poderá ser de grande ajuda:

segunda-feira, 22 de julho de 2013

ITÁLIA : PISA (Junho/2013)

Pisa está localizada na região da Toscana.

Meu grupo saiu de Florença logo cedo e fomos em direção a Pisa. O ônibus encostou em um posto de gasolina, e de lá pegamos um "trenzinho" (ahhhh! que ridículo) para irmos até o Campo dos Milagres, local onde está a famosa Torre de Pisa.


Ficamos por ali cerca de duas horas e conhecemos tudo o que foi possível conhecer. Infelizmente o Duomo (igreja) estava fechado para manutenção naquele instante.

A construção do Duomo se iniciou em 1063 e terminou em 1118. Suas portas de bronze foram construídas em 1602, em substituição às antigas. Existe uma lenda local que diz que aquele que conseguir encontrar uma coluna vermelha na fachada, estará livre desilusões amorosas. Esta "bênção" durará apenas um dia.



O Batistério teve sua construção iniciada em 1152, e finalizada em 1252.


A Torre de Pisa é o campanário da igreja, e sua construção iniciou-se em 1173 e terminou somente em 1350. Por ter sido construída sobre solo arenítico, com o tempo foi se inclinando cada vez mais. Muitos tentaram reverter o processo, até que em 1990, engenheiros foram contratados, e tomaram diversas ações, e terminaram por corrigir o problema. Desde 2001, a Torre de Pisa hoje está estável e se você quiser, você pode subir até lá em cima.


Algumas pessoas sugerem um "tour" pelo cemitério, que fica bem ao lado do Duomo. Dizem que existem obras muito bonitas por lá. Pessoalmente, não me agradam os cemitérios, portanto, optei por não conhecê-lo.

Como já tinha visto tudo que me interessava, e o Duomo ainda estaria fechado por mais algumas horas, resolvi parar no Ristorante Il Turista para comer algo. É um lugar muito agradável, e serve um "tira-gosto" delicioso.


Minutos depois voltávamos ao "trenzinho", que nos levaria de volta até o ônibus, e dali, seguiríamos viagem até a cidade de Spezzia. No caminho, vimos as montanhas de onde é extraído o conhecido mármore de carrara.


Veja neste link o vídeo que fiz sobre Pisa https://www.youtube.com/watch?v=uPPVgiSEQ-4

Em Spezzia pegamos um trem (de verdade) que nos levaria até Manarola, um dos cinco vilarejos de Cinque Terre.


( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

Se você vai viajar para a Itália, recomendo o livro abaixo. Ele poderá ser de grande ajuda:

domingo, 21 de julho de 2013

ITÁLIA : FLORENÇA (Junho/2013)

Florença (Firenze em italiano), é a capital da região da Toscana.


Considerada a capital do Renascimento, é uma cidade onde você encontrará as mais belas expressões de arte por todos os cantos da cidade, nos monumentos, igrejas museus e academias. Trocando em miúdos, Florença é uma cidade que "respira" arte por todos os lados.


Alguns dizem que Florença se originou a partir de um povoado etrusco, outros dizem que foi a partir de um assentamento para soldados veteranos, criado por Júlio César no ano 59 a.C. Já no século III d.C., o imperador Diocleciano declarou que "Florentia" era a capital da região Toscana.

O movimento chamado Renascimento, se originou lá, no século XIV.

A Catedral de Florença, ou Duomo de Santa Maria del Fiore (construída entre 1296 e 1418), é uma magnífica obra de arte a céu aberto. A palavra Duomo vem do latim Domus Dei, que significa Casa e Deus.



Em sua frente, do outro lado da rua, fica o batistério, com suas portas douradas esculpidas em baixo relevo, que encantaram tanto a Michelangelo, que no momento que as conheceu disse que elas eram as portas do paraíso, e assim são chamadas até hoje.



San Miniato foi o primeiro santo, ou mártir de Florença. Ele era um ermitão que vivia no Mons Fiorentinus. Durante a perseguição aos cristãos perpetrada pelo imperador Decio, foi decapitado em plena cidade por volta do ano 250 d.C., contudo, segundo a lenda, pegou sua cabeça de volta, atravessou o Rio Arno e voltou para a colina onde vivia. No século VIII foi levantada uma capela na colina. Hoje no local é possível encontrar a Basílica de San Miniato Al Monte (construída a partir de 1013), que acredita-se que em sua cripta, guarde os ossos de San Miniato. Sua fachada é um verdadeiro exemplo da arquitetura Romano Florentina.


Cheguei em Florença por volta de meio-dia, com um sol e um calor de arrebentar. Apesar do veemente protesto de todo o grupo (mais de 40 pessoas), a guia turística resolveu que sairíamos imediatamente, "sob o Sol da Toscana", para fazermos um "city-tour" a pé pelo centro histórico. A cada esquina que virávamos, o grupo diminuía de tamanho. Terminamos o "city-tour" em frente ao Duomo de Santa Maria del Fiore, comigo e mais cinco pessoas. O resto do pessoal tinha ficado pelo caminho.

Terminado o passeio, fui almoçar em um restaurante simples, mas muito bom, que se chama Ristorante Da Giannino, que fica em uma pequena rua, próxima do local onde terminamos o passeio.

Tive o resto do dia livre e aproveitei para conhecer todos os lugares que pude.



Na Piazza Della Signoria é possível ver magníficas esculturas, inclusive uma cópia do David, de Michelângelo, cujo original está protegido em um museu da cidade.




Para aqueles que gostam de tentar melhorar a sorte através da superstição local, na Loggia Del Mercato Nuovo (um tipo de mercado municipal) existe uma estátua de um Javali, na verdade é uma pequena fonte, e a crença local diz que se você pegar a água com uma mão e banhar o focinho do javali, você terá muita prosperidade na vida. Só para garantir, usei as duas mãos e banhei  a cabeça toda, incluindo o focinho dele. Vamos ver se a coisa melhora...


À noite, fui jantar em outro restaurante que também tem uma comida muito boa, chamado Il Cantastorie. Ele fica localizado próximo à praça da Basilica Di Santa Croce.

Caminhar à noite pelas vielas quase desertas do centro histórico de Florença foi algo bem legal, pois o silêncio (quebrado de vez em quando por carros passando ao longe), somado à pouca iluminação e aos prédios centenários, meu deu uma boa impressão de como deveria ser a "vida noturna" por ali, há 400 ou 500 anos atrás.

Florença oferece todos os tipos de produtos de couro a preços muito em conta. Não deixe de dar uma olhada.

No dia seguinte iria conhecer Pisa, Cinque Terre e Gênova.

Lugares para visitar em Florença: Catedral de Florença (Santa Maria del Fiore) e seu batistério, Palazzo Vecchio (situado na Piazza Della Signoria), Galleria degli Uffizi e seu museu, Palazzo Pitti, Palazzo Strozzi, Ponte Vecchio, Basilica di Santa Maria Novella, Basilica Di Santa Croce, museus e vários outros pontos de interesse histórico.

Veja neste link o vídeo que fiz sobre Florença https://www.youtube.com/watch?v=LqQF9FU8EN4

( Texto e fotos : Wilson Luiz Negrini de Carvalho )

Se você vai viajar para a Itália, recomendo o livro abaixo. Ele poderá ser de grande ajuda: